Seguir por E-mail

Destaque

Publicação de estudos científicos

Caros leitores, A Journal Health NPEPS (ISSN 2526-1010) é uma revista científica produzida pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNE...

terça-feira, 22 de outubro de 2019

A América Latina lidera ranking global de mortes de ativistas ambientais

                                     Em 2017, dez defensores da terra foram mortos pela polícia na fazenda Santa                              Lucia, no município de Pau D'arco, no Brasil. Crédito da imagem: Lunae Parracho.
  • Estudo mundial revela que em 15 anos os assassinatos de ativistas ambientais dobraram
  • Quase 70% das mortes ocorridas entre 2014 e 2017 ocorreram na América Latina.
  • Em 2017, 30% das mortes correspondiam a defensores ambientais indígenas.
Entre 2002 e 2017, as mortes de defensores do meio ambiente no mundo duplicaram, e do total de mortes (1.558), 75% (1.171) ocorreram na América Latina, de acordo com um estudopublicado na Nature Sustainability . 

O estudo - conduzido por cientistas das universidades de Queensland (Austrália), Oxford e Sussex (Inglaterra) - considerou ativistas comunitários, advogados, jornalistas, membros de movimentos sociais, funcionários de ONGs e povos indígenas como defensores do meio ambiente. Sobre as razões dessa violência, ele destacou principalmente os conflitos gerados pelo acesso a recursos naturais, como água, madeira, terra (para agricultura ou desenvolvimento) e minerais.

"A forte demanda por recursos naturais combinada com um estado de direito fraco faz da América Latina uma das piores regiões do mundo nesta questão". Nathalie Butt, Universidade de Queensland (Austrália)

Segundo a investigação, dos 16 países latino-americanos que concentram dois terços das mortes, o Brasil lidera a lista com 609 assassinatos, seguido pela Colômbia (164), Honduras (138), Peru (79) e México (66). O único país fora da região que atinge esse nível de violência, segundo o trabalho, são as Filipinas, com 192 mortes. 

O aumento no número de assassinatos ao longo do tempo pode ser real, mas também pode estar relacionado a um melhor acesso à informação, disse ele ao SciDev.Net.Nathalie Butt, pesquisadora da Faculdade de Ciências Biológicas da Universidade de Queensland e líder do estudo. “A falta de informação é um problema em países com um estado de direito fraco. Mesmo assim, podemos dizer com certeza que há um grande aumento no número de mortes registradas, o que pode ser um reflexo do número real ”, acrescentou. 

"Por um lado, os números que entregam este trabalho são muito preocupantes, mas, por outro lado, é positivo que o assunto seja estudado, porque existem muitas figuras obscuras", disse Patricia Araya, advogada da ONG Fima , ao SciDev.Net. Ele não participou do estudo. Não é apenas sobre os casos extremos que terminam em mortes, continuou ele, mas também sobre ameaças, intimidações e ataques que não são relatados.


O mapa mostra a distribuição espacial das mortes de defensores ambientais entre 2014 e 2017, por setores-chave dos recursos naturais: agronegócio, extração madeireira, mineração e extração, água e barragens e caça furtiva.
Crédito: Butt et al. Natureza Sustentabilidade .

Enquanto a luta por recursos seria a principal causa da violência, a corrupção também tem um papel relevante. Os pesquisadores fizeram uma correlação espacial em quatro setores com recursos naturais - agricultura, silvicultura, mineração e água - com o número de mortes por milhão de habitantes para cada país e fizeram a mesma análise em relação ao estado de direito em cada nação. 

"Não houve correlação significativa entre esses quatro setores e as mortes, mas havia uma correlação muito forte entre assassinatos e corrupção", explica Nathalie Butt. "A forte demanda por recursos naturais combinada com um estado de direito fraco faz da América Latina uma das piores regiões do mundo nesta questão", disse ele.

Para Araya isso tem a ver, em parte, com o desenvolvimento político que a região teve. "No passado, como não havia institucionalidade democrática durante as ditaduras da região, a legalidade e as instituições eram permissivas com a extração de recursos naturais", afirmou. É por isso que assassinatos ou intimidações não eram necessários, uma vez que a exploração ocorria no “quadro legal” do momento, quando os exércitos eram os garantes da ordem. Isso mudou quando as ditaduras caíram. 

Além disso, a América Latina não possui apenas uma grande porcentagem dos recursos naturais do mundo, mas também a maior concentração de comunidades indígenas, disse ele à SciDev.NetAndrea Sanhueza, representante eleito da sociedade civil para a negociação do Acordo Escazú no Chile, que não participou do estudo. "É nas áreas onde a mineração e a exploração de energia estão ocorrendo com o consequente conflito com as comunidades", diz ele.

Entre 2015 e 2017, pelo menos 121 ativistas indígenas foram mortos no mundo. Dessas mortes, 82 ocorreram na América Latina, e Colômbia, Nicarágua e México estão no topo da lista. 

Acordo Escazú é uma iniciativa regional sobre acesso à informação, participação pública e acesso à justiça em questões ambientais na América Latina e no Caribe, que pode ajudar a esclarecer esses casos. “São necessários 11 países para ratificá-lo para que ele possa entrar em operação. Esperamos que isso seja alcançado até o final de 2020 ”, disse Sanhueza. 


Lorena Guzmán Hormazábal,
Publicado em SciDev Net 


quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Google Assignments: ferramenta anti-plágio do Google



A nova ferramenta do Google tenta ajudar professores e alunos a manter e melhorar a originalidade dos trabalhos apresentados em sala de aula, marcando os compromissos necessários e fornecendo uma maneira rápida e fácil de verificar a integridade acadêmica.


A ferramenta usa o poder da pesquisa do Google para gerar relatórios de originalidade comparando o trabalho do aluno com centenas de bilhões de páginas da web e dezenas de milhões de livros.
Os relatórios destacam citações faltantes, paráfrases ineficazes ou plágio involuntário devido à alta similaridade e ligação à fonte externa.
Os alunos podem executar relatórios de originalidade até três vezes antes de enviá-los, permitindo-lhes identificar e solucionar erros de nomeação e economizar tempo na qualificação.
Os trabalhos dos alunos que foram digitalizados com a ferramenta não são retidos nem de propriedade do Google.
No futuro, o Google planeja adicionar uma opção para que as escolas tenham um repositório privado de apresentações de alunos, o que elas possuem, para que os instrutores possam ver as correspondências entre os trabalhos.