Seguir por E-mail

Destaque

Publicação de estudos científicos

Caros leitores, A Journal Health NPEPS (ISSN 2526-1010) é uma revista científica produzida pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNE...

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Presentes nas frutas, proteínas similares às do látex podem causar alergia

Entre as frutas que contêm essas proteínas estão mamão, figo, banana, abacate, kiwi e melão. Alérgicos ao látex devem ficar atentos!!

Mamão papaia – Foto: Sebástian Freire / Flickr

O fenômeno se chama “síndrome látex-fruta” e acontece porque algumas frutas, como mamão, figo, banana, abacate, kiwi e melão, têm em sua composição proteínas semelhantes àquelas presentes no látex da Hevea brasiliensis – a famosa seringueira. “A quimopapaína, por exemplo, encontrada no látex do mamão, pode provocar essa síndrome. A esse fenômeno chamamos reatividade cruzada. Tem gente que é alérgica à borracha [látex] e que também tem ou pode desenvolver alergia ao mamão, ao figo, à banana”, explica Gabriela Justamante Händel Schmitz, que estudou a reatividade cruzada em seu trabalho de doutorado na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP.
De acordo com ela, uma proteína do látex da seringueira, denominada cisteína protease, tem a sequência de aminoácidos muito similar à da quimopapaína. “Como elas são similares, em alguns indivíduos o organismo pode responder com essa reatividade cruzada. Se sou alérgica à borracha, usada para fazer uma luva, por exemplo, posso ser ou vir a ser alérgica a mamão – e também ao figo, à banana, ao abacate, ao kiwi, ao melão. Todos esses frutos têm proteínas similares às encontradas no látex da Hevea brasiliensis.”
A pesquisadora afirma que as pessoas alérgicas à proteína do látex da Hevea têm imunoglobulinas E (IgEs) específicas para essa proteína. “Se comem um mamão, que tem uma proteína similar à proteína da seringueira, a proteína do mamão consegue se encaixar nas IgEs sintetizadas para a proteína do látex da Hevea, e então o paciente tem todas as reações alérgicas que teria a artefatos feitos do látex da seringueira.”
Extração do látex na Hevea brasiliensis – Foto: https://pt.depositphotos.com/80829696/stock-photo-milky-latex-extracted-from-natural.html
Segundo ela, cada vez se descobrem mais proteínas similares às da seringueira em frutos. “Muitas crianças têm esse tipo de alergia, e o diagnóstico é difícil. Por isso, estamos indo atrás de novos alérgenos. Só do mamão há cinco alérgenos descobertos. E não fazemos ideia de quantos mais podem existir.”
A cientista conta que  muitos pacientes brasileiros têm alergia à mandioca e ao látex, há inclusive um estudo de um grupo do Hospital das Clínicas sobre isso.
O látex encontrado no mamão (principalmente na casca) contém uma enzima proteolítica chamada papaína, que tem funções bactericidas, anti-inflamatórias e bacteriostáticas, além de ser usada em medicamentos para auxiliar a digestão. “A papaína presente no látex do mamão é um alérgeno bem descrito dessa fruta, chamado Cari p papain. Porém, quem tem alergia a mamão pode ser alérgico a outras proteínas dele que ainda não foram descobertas”, afirma a pesquisadora.
Ela explica que a produção de látex é um mecanismo de defesa da planta contra predadores e situações de estresse. “O látex do mamão, assim como outras substâncias produzidas por diversas plantas, tem ação biológica. E, em quase todos os casos, essas substâncias são sintetizadas pela planta para a sua defesa, o que significa que são tóxicas para os predadores. Assim, em grandes quantidades, podem ser tóxicas para nós”, resume.

Fonte: JORNAL DA USP     -     Confira aqui!!

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

O Plano S: Rumo ao acesso aberto sem periódicos híbridos

O Plano S é uma iniciativa que visa obter acesso aberto total e imediato a publicações financiadas publicamente.
O Plano S  foi promovido pela cOALition S, um grupo de organizações importantes que financiam pesquisas (Wellcome Trust, Fundação Bill & Melinda Gates e agências nacionais de financiamento à pesquisa em mais de 10 países europeus ), coordenada por uma organização chamada Science Europe, uma associação europeia que representa os interesses de organizações públicas que financiam e realizam pesquisas na Europa.

Em setembro de 2018 e com o apoio da Comissão Europeia e do Conselho Europeu de Pesquisa (ERC), a COOTION S lançou o chamado Plano S. O momento do plano se deve a duas razões principais: uma, as agências de financiamento à pesquisa são mostradas para ver que muitos dos resultados da pesquisa que financiados terminam em periódicos pagos por assinatura e retardam o progresso da ciência, impedindo o acesso a publicações cuja pesquisa foi financiado com recursos públicos. Dois, por várias razões, os repositórios institucionais e temáticos, a via verde, também não conseguem que os pesquisadores depositem todas as suas publicações.

Ao vir a luz, o Plano S recebeu críticas duras dos grandes editores científicos, Elsevier ou Springer, entre outros, mas também de institutos e sociedades científicas, pequenos editores e até mesmo de grupos de pesquisadores. A Coalizão S decidiu então lançar, entre novembro de 2018 e fevereiro de 2019, um processo de consulta pública sobre o Plano, que recebeu mais de 600 comentários de mais de 40 países. Em 31 de maio de 2019, a Coalition S publicou o que é agora a versão final do Plano S. Um plano com 10 princípios, um guia de implementação e um único objetivo: acelerar a transição para abrir o acesso às publicações.

Fundamentalmente, devido à sua radicalidade em três aspectos: o tempo de implementação do plano, a cobertura do plano e sua rejeição ao modelo híbrido de publicação. O Plano S começa dizendo que, a  partir de 2021  (1º de janeiro), em pouco mais de um ano,  TODAS as  publicações resultantes de pesquisas públicas deverão ser publicadas em periódicos de acesso aberto, em plataformas de acesso aberto ou estar disponíveis imediatamente em repositórios de acesso aberto  sem período de embargoSe você é um pesquisador e recebe fundos públicos para sua pesquisa ou se trabalha em uma biblioteca universitária e precisa aconselhá-los, pense por um momento: você não poderá publicar em muitas revistas, com ou sem um fator de impacto, se a revista não estiver disponível em acesso aberto.

No campo da ciência, tecnologia e medicina (STM), pesquisadores e editores  argumentam contra o Plano S que, em muitas áreas, não há periódicos de qualidade com acesso abertoEm algumas áreas, nenhuma. Os editores justificam o pagamento da assinatura e os altos custos da APC porque seus processos de revisão e edição são de alta qualidade e isso se reflete em seu posicionamento nos diferentes rankings de revistas em um ambiente muito competitivo. Os editores relutam em mudar um modelo de negócios que funcionou muito bem para eles e que até agora provou servir à ciência e à sociedade. Pesquisadores nesse campo reclamam que seu sistema de avaliação e reconhecimento se baseia nesses rankings e, até o momento, não há alternativas para publicar em outras mídias. Se não puderem publicar nessas revistas, perderão competitividade.

Nessas áreas, além disso, a pesquisa e a captação de recursos geralmente são realizadas por equipes internacionais. O Plano S é uma iniciativa europeia. É verdade que a União Europeia, China e Índia parecem apoiar o Plano S, mas nos Estados Unidos, o Escritório de Políticas de Ciência e Tecnologia (OSTP) deixou claro que não apoiará o Plano S  (Instituto Americano de Física, 2019) , para que problemas possam começar a ocorrer: americanos que desejam publicar em revistas com modelos de acesso atrás de revistas ou plataforma de pagamento e europeus incapazes de contribuir financeiramente para a divulgação de resultados por esses meios. Portanto, há  pesquisadores da STM reclamando que o Plano S pode afetar o grau de colaboração científica internacional .

No campo das ciências sociais e humanas (SSH), as críticas não são menores: muitas revistas não pertencem a grandes grupos editoriais, mas representam o esforço de pesquisadores de departamentos de universidades, sociedades científicas ou pequenas e médias editoras que eles encontraram no modelo de negócios de publicação híbrida uma maneira de sobreviver quando o acesso aberto diminuiu as assinaturas de suas publicações. Dupla sobrevivência porque permite que editores e pesquisadores sobrevivam. Nessas revistas, os custos da APC são aceitáveis ​​para pesquisadores cujas publicações são resultados de pesquisas não financiadas com recursos públicos, principalmente no campo da SSH. E, no entanto, apesar da falta de recursos, O sistema de reconhecimento e avaliação de mérito é baseado no mesmo ranking de revistas de sempre. Ao não permitir a publicação nesse tipo de periódico, as possibilidades de avançar na carreira científica, principalmente as mais jovens, são seriamente diminuídas. E pequenos editores ou sociedades científicas temem que, se passarem de um modelo híbrido de revista para um modelo de revista em que os autores paguem para publicar o número de autores que podem arcar com os custos da APC não sejam suficientes para manter os negócios.

Muitos também temem que, ao optar por um modelo que pague mais pelo pagamento da publicação do que pelo acesso, as barreiras indiretas possam ser promovidas indiretamente para tornar mais visível a pesquisa realizada nos países menos desenvolvidos. Ou seja, deixar de não ser capaz de acessar muitas publicações para não poder publicar porque os custos das revistas da APC não podem ser permitidos. E que, no final do modelo híbrido, existem poucas publicações alternativas para pesquisadores que não obtêm grandes quantias de financiamento, o que é especialmente o caso em áreas de ciências sociais e humanas, muito mais em países menos desenvolvidos, onde o compromisso de As plataformas de acesso gratuito que foram feitas agora podem ser deixadas em papel úmido.

Se o Plano S tem tantas críticas, pode-se perguntar as razões ou o interesse em sua implementação. Um plano nada mais é do que o conjunto de idéias e meios para atingir uma meta. E o objetivo é a chave: alcançar acesso aberto completo e imediato a publicações financiadas com recursos públicos. Nem repositórios, nem revistas, onde os financiadores passaram de pagar pela leitura (acesso) a pagar pela leitura e publicação, estão obtendo acesso aberto ao conhecimento. Então, para conseguir isso, é necessária alguma mudança.

Alguns aspectos a considerar, extraídos do guia de implementação do Plano S:
  • Apoia, sem ambiguidade, os princípios da Declaração de São Francisco sobre a avaliação da pesquisa (DORA). De fato, o princípio 10 garante que os signatários comprometam-se a: ao avaliar os resultados da investigação durante as decisões de financiamento, avaliarão o mérito intrínseco do trabalho e não considerarão o canal de publicação, seu fator de impacto (ou outras métricas de revistas) ou ao editor. Para quem não conhece a importância do DORA, é basicamente uma crítica ao fator de impacto “como uma medida da qualidade científica da pesquisa em um artigo” 
  • O Plano incentiva a idéia de que também os dados de pesquisa e outros resultados de pesquisa são "o mais aberto possível, o mais fechado possível".
  • Embora atualmente apenas se aplique a publicações revisadas por pares, esclarece que no futuro também se aplicará a monografias e capítulos de livros.
É verdade que, com ansiedade, porque os grandes editores não continuam a aumentar de maneira exagerada, como têm feito, seus benefícios às custas do dinheiro público geram riscos que pequenos editores e sociedades científicas podem "ficar para trás" ou mesmo desaparecer. Mas o plano também contempla a injeção de fundos no sistema para impedir que isso aconteça. Isso é feito na seção "acordos de transformação". Os acordos transformadores entre editores e bibliotecas ou consórcios de bibliotecas são aqueles que buscam alterar o pagamento da assinatura de revistas (o que há até agora) para modelos em que o acesso é aberto. Um exemplo simples: nos contratos de modelo de publicação e leitura, o editor recebe pagamento apenas pela publicação de artigos pelos autores de uma instituição e a leitura dos periódicos desse editor é incluída sem custo adicional para as instituições . Leremos e ouviremos muito sobre esses acordos transformadores nos próximos meses.

O Plano S visa alcançar uma ciência mais aberta, não apenas com um sistema de publicação com maior transparência de custos e preços, mas também um sistema científico aberto que permita modificar o sistema de avaliação e promoção dos cientistas, alterando o status quo do "Ditadura" do fator de impacto, contra o qual muitos rugem e poucos fazem algo para mudá-lo. E nesse papel, os pesquisadores, muito afetados, também devem se conscientizar de uma só vez. E, ao mesmo tempo, os bibliotecários assumem os novos desafios que lhes são apresentados: o guia técnico e de requisitos do Plano S fala de identificadores persistentes, de repositórios que precisam atender a certos requisitos técnicos a serem considerados em conformidade com o Plano, de preservação Metadados digitais de qualidade a longo prazo, dados vinculados etc. E também, Está abalando todo o ecossistema editorial. Por exemplo, em junho de 2019, a revista PLOS Biology propôs a implementação do Plano U, cujo principal objetivo é "que as agências de financiamento de pesquisa estabeleçam um requisito obrigatório para os fundos concedidos para a publicação dos resultados nos servidores de pré-impressões".

Certamente, o Plano S apresenta riscos, não esclarece quanto ou quais recursos serão alocados para ajudar esses acordos transformadores. E, em sua intenção de forçar não apenas o acesso aberto, mas a reutilização de informações, exige que os autores ou suas instituições mantenham os direitos autorais de suas publicações e apliquem uma licença aberta ao seu trabalho, de preferência a licença de atribuição Creative Commons (CC By )  e obriga que as licenças CC BY-ND, tão importantes para impedir a "manipulação" de certos empregos nas ciências sociais e humanas, tenham quase que implorar. Mas ... sem riscos, você não vai longe.